Informativo Esquematizado do STJ

Clique na imagem para ver todos os Informativos Esquematizados do STJ

Informativo esquematizado do STJ Informativo esquematizado do STJ

Informativo Esquematizado do STF

Clique na imagem para ver todos os Informativos Esquematizados do STF

Informativo esquematizado do STF Informativo esquematizado do STF

Novidades Legislativas

Clique na imagem para ver as últimas novidades legislativas

Informativo esquematizado do STF Informativo esquematizado do STF

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Resolução do CFM acerca do diagnóstico de fetos anencéfalos



Decisão do STF na ADPF 54
O Supremo Tribunal Federal, ao julgar a ADPF 54, decidiu que é possível a antecipação terapêutica do parto nos casos de gravidez de feto anencéfalo, afirmando que tal prática não configura aborto.
Na mesma ocasião, o STF decidiu que esta interrupção deveria ser feita por médico e de acordo com livre decisão da gestante, após diagnóstico médico inequívoco de que o feto é realmente anencéfalo.
Restou consignado que para o médico realizar a interrupção da gravidez, nestes casos, não é necessária autorização judicial.

Resolução CFM 1.989/2012
O CFM publicou no Diário Oficial de hoje (14/05/2012) a Resolução CFM 1.989/2012, que dispõe sobre o diagnóstico de anencefalia para a antecipação terapêutica do parto.

Vejamos os principais aspectos da Resolução 1.989/2012:

Como é feito o diagnóstico da anencefalia?
É feito por exame ultrassonográfico realizado a partir da 12ª (décima segunda) semana de gestação e deve conter:
I – duas fotografias, identificadas e datadas: uma com a face do feto em posição sagital; a outra, com a visualização do polo cefálico no corte transversal, demonstrando a ausência da calota craniana e de parênquima cerebral identificável;
II – laudo assinado por dois médicos, capacitados para tal diagnóstico.
É dever do médico informar a gestante sobre a situação sem interferir em sua decisão quanto à eventual interrupção da gravidez
Concluído o diagnóstico de anencefalia, o médico deve prestar à gestante todos os esclarecimentos que lhe forem solicitados, garantindo a ela o direito de decidir livremente sobre a conduta a ser adotada, sem impor sua autoridade para induzi-la a tomar qualquer decisão ou para limitá-la naquilo que decidir.
Opções da gestante de feto anencéfalo
Tendo recebido o diagnóstico de que seu feto é anencéfalo, a gestante tem o direito de:
I – solicitar a realização de junta médica ou buscar outra opinião sobre o diagnóstico;
II – manter a gravidez;
III – interromper imediatamente a gravidez, independente do tempo de gestação;
IV – adiar a decisão quanto à interrupção da gravidez para outro momento.

Obs: qualquer que seja a decisão da gestante, o médico deve informá-la das consequências, incluindo os riscos decorrentes ou associados de cada uma.
Se a gestante optar pela manutenção da gravidez
Se a gestante optar pela manutenção da gravidez, ser-lhe-á assegurada assistência médica pré-natal compatível com o diagnóstico.
Receberá também, se assim o desejar, a assistência de equipe multiprofissional nos locais onde houver disponibilidade.
Se a gestante optar pela interrupção da gravidez
Sendo esta a vontade da grávida, o médico realizará a interrupção da gravidez independente de autorização do Estado.
A antecipação terapêutica do parto somente pode ser realizada por médico e apenas em hospital que disponha de estrutura adequada ao tratamento de eventuais complicações inerentes aos respectivos procedimentos.
Será lavrada ata da antecipação terapêutica do parto, na qual deve constar o consentimento da gestante e/ou, se for o caso, de seu representante legal.
A ata, as fotografias e o laudo do exame médico que constatou a anencefalia deverão integrar o prontuário da paciente.
Após a interrupção da gravidez
Realizada a antecipação terapêutica do parto, o médico deve informar à paciente os riscos de recorrência da anencefalia e encaminhá-la para programas de planejamento familiar com assistência à contracepção, enquanto essa for necessária, e à preconcepção, quando for livremente desejada, garantindo-se, sempre, o direito de opção da mulher.
A paciente deve ser informada expressamente que a assistência preconcepcional tem por objetivo reduzir a recorrência da anencefalia.

Print Friendly and PDF