Livros Dizer o Direito 2017

Confira

Livros Dizer o Direito 2017 Livros Dizer o Direito 2017

Informativo Comentado do STJ

Clique na imagem para ver todos os Informativos Comentados do STJ

Informativo comentado do STJ Informativo comentado do STJ

Informativo Comentado do STF

Clique na imagem para ver todos os Informativos Comentados do STF

Informativo comentado do STF Informativo comentado do STF

Novidades Legislativas

Clique na imagem para ver as últimas novidades legislativas

Informativo comentado do STF Informativo comentado do STF

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Para a aplicação da multa por litigância de má-fé exige-se a comprovação de dano?



O CPC possui uma seção para tratar das consequências aplicáveis aos casos em que as partes agem com má-fé durante o processo.
No CPC/1973, o tema era previsto nos arts. 16 a 18.
No CPC/2015, o assunto está disciplinado nos arts. 79 a 81.

Vejamos cada um desses artigos:

Princípio geral (art. 79 do CPC/2015)
CPC 1973
CPC 2015
Art. 16. Responde por perdas e danos aquele que pleitear de má-fé como autor, réu ou interveniente.
Art. 79. Responde por perdas e danos aquele que litigar de má-fé como autor, réu ou interveniente.

Observações:
• Não houve nenhuma mudança substancial entre os dispositivos, tendo sido apenas substituída a palavra pleitear por litigar.

• Chamo atenção para o fato de que essa responsabilidade atinge tanto o autor como o réu e eventual terceiro que intervenha no processo.

• Cuidado: a responsabilidade por atos processuais praticados pelo membro do MP ou pelo magistrado não é disciplinada pelo art. 79 do CPC/2015, estando sujeita a dispositivos específicos. Confira:
Art. 181. O membro do Ministério Público será civil e regressivamente responsável quando agir com dolo ou fraude no exercício de suas funções.
(...)
Art. 143. O juiz responderá, civil e regressivamente, por perdas e danos quando:
I — no exercício de suas funções, proceder com dolo ou fraude;
II — recusar, omitir ou retardar, sem justo motivo, providência que deva ordenar de ofício ou a requerimento da parte.
Parágrafo único. As hipóteses previstas no inciso II somente serão verificadas depois que a parte requerer ao juiz que determine a providência e o requerimento não for apreciado no prazo de 10 (dez) dias.

Hipóteses de litigância de má-fé (art. 80 do CPC/2015)
CPC 1973
CPC 2015
Art. 17. Reputa-se litigante de má-fé aquele que:
I — deduzir pretensão ou defesa contra texto expresso de lei ou fato incontroverso;
II — alterar a verdade dos fatos;
III — usar do processo para conseguir objetivo ilegal;
IV — opuser resistência injustificada ao andamento do processo;
V — proceder de modo temerário em qualquer incidente ou ato do processo;
VI — provocar incidentes manifestamente infundados;
VII — interpuser recurso com intuito manifestamente protelatório.
Art. 80. Considera-se litigante de má-fé aquele que:
I — deduzir pretensão ou defesa contra texto expresso de lei ou fato incontroverso;
II — alterar a verdade dos fatos;
III — usar do processo para conseguir objetivo ilegal;
IV — opuser resistência injustificada ao andamento do processo;
V — proceder de modo temerário em qualquer incidente ou ato do processo;
VI — provocar incidente manifestamente infundado;
VII — interpuser recurso com intuito manifestamente protelatório.

Como se percebe, não houve qualquer alteração na redação do novo CPC.

Sanções aplicáveis (art. 81 do CPC/2015)
CPC 1973
CPC 2015
Art. 18. O juiz ou tribunal, de ofício ou a requerimento, condenará o litigante de má-fé a pagar multa não excedente a um por cento sobre o valor da causa e a indenizar a parte contrária dos prejuízos que esta sofreu, mais os honorários advocatícios e todas as despesas que efetuou.


§ 1º Quando forem dois ou mais os litigantes de má-fé, o juiz condenará cada um na proporção do seu respectivo interesse na causa, ou solidariamente aqueles que se coligaram para lesar a parte contrária.





§ 2º O valor da indenização será desde logo fixado pelo juiz, em quantia não superior a 20% (vinte por cento) sobre o valor da causa, ou liquidado por arbitramento.
Art. 81. De ofício ou a requerimento, o juiz condenará o litigante de má-fé a pagar multa, que deverá ser superior a um por cento e inferior a dez por cento do valor corrigido da causa, a indenizar a parte contrária pelos prejuízos que esta sofreu e a arcar com os honorários advocatícios e com todas as despesas que efetuou.

§ 1º Quando forem 2 (dois) ou mais os litigantes de má-fé, o juiz condenará cada um na proporção de seu respectivo interesse na causa ou solidariamente aqueles que se coligaram para lesar a parte contrária.

§ 2º Quando o valor da causa for irrisório ou inestimável, a multa poderá ser fixada em até 10 (dez) vezes o valor do salário-mínimo.

§ 3º O valor da indenização será fixado pelo juiz ou, caso não seja possível mensurá-lo, liquidado por arbitramento ou pelo procedimento comum, nos próprios autos.

Observações:
• A multa por litigância de má-fé aumentou. Agora ela deverá ser fixada entre 1% a 10% sobre o valor da causa corrigido (caput).
• Agora existe uma regra expressa prevendo que, se o valor da causa for irrisório ou inestimável, a multa será fixada em até 10 salários-mínimos.

Sanções aplicáveis
Repare no caput do art. 18 do CPC/1973 (art. 81 do CPC/2015) que são previstas três sanções aplicáveis ao litigante de má-fé:
a) multa;
b) indenização pelos prejuízos causados à parte contrária;
c) condenação nos honorários advocatícios e despesas.

Para que seja aplicada a multa de que trata o art. 18 do CPC/1973 (art. 81 do CPC/2015) é necessário que se prove que houve dano (prejuízo)?
NÃO.
O dano processual não é pressuposto para a aplicação da multa por litigância de má-fé prevista no art. 18 do CPC/1973 (art. 81 do CPC/2015).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.628.065-MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, Rel. p/acórdão Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 21/2/2017 (Info 601).

E para que seja exigida a indenização prevista na segunda parte do art. 18 do CPC/1973 (art. 81 do CPC/2015), é necessário que se prove que houve dano (prejuízo)?
Por mais estranho que pareça, prevalece que NÃO, ou seja, não existe necessidade de se provar o dano. Há, inclusive, um julgado da Corte Especial do STJ nesse sentido:
A indenização prevista no art. 18, caput e § 2º, do CPC/1973 (art. 81, caput e § 3º do CPC/2015) tem caráter reparatório (ou indenizatório), decorrendo de um ato ilícito processual.
Apesar disso, é desnecessária a comprovação do prejuízo para que haja condenação ao pagamento da indenização prevista nesse dispositivo.
Em outras palavras, é desnecessária a comprovação de prejuízo para que haja condenação ao pagamento de indenização por litigância de má-fé (art. 18, caput e § 2º, do CPC/1973; art. 81, caput e § 3º do CPC/2015).
STJ. Corte Especial. EREsp 1.133.262-ES, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 3/6/2015 (Info 565).

Para o STJ, uma vez reconhecida a litigância de má-fé, devem ser impostas a multa e a indenização (perdas e danos), sendo, no entanto, DESNECESSÁRIA a prova do prejuízo sofrido pela parte adversa.
A Corte entende que, em momento algum, o art. 18, caput e § 2º do CPC/1973 (art. 81, caput e § 3º do CPC/2015) exigem que haja prova do prejuízo para que a indenização seja fixada. Segundo pensa o STJ, para a fixação da indenização, a lei só exige que haja um prejuízo, mas este pode ser potencial ou presumido (não precisando ser demonstrado em concreto).
Outro argumento do STJ é o de que se fosse exigida comprovação de prejuízo, essa demonstração seria extremamente difícil de ser feita, o que praticamente impossibilitaria a aplicação de tais sanções, comprometendo a sua eficácia.



Print Friendly and PDF